segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Classe de Prestígio – TRPG: Cangaceiro da Tormenta

"Agora 'cabou a brincadera di genti piquena i cumeça a di genti grandi."

O Sertão de Arton

       O Sertão de Arton é uma região recém surgida a sudoeste de Sckharshantallas (que por acaso fica no nordeste do Reinado), na divisa com Trebuck e a área de Tormenta daquele reino. Ventos vindos da área de Tormenta alteraram o clima da região, criando uma área inóspita que desafia a própria sobrevivência.
       No Sertão de Arton, a flora provê pouca ou nenhuma alimentação, e a fauna agressiva preda tudo que se move. Chuvas são poucas e, mesmo quando ocorrem, a água impura corrompida pela Tormenta traz mais sofrimento do que esperança.
       No Sertão de Arton somente os mais resistentes e adaptados ousam desafiar a natureza semi-aberrante e conseguem permanecer vivos. E entre eles, um novo tipo de cabra-macho da gota, muito mais macho do que qualquer outro cabra jamais ousou ser, surgiu para mostrar quem é que é hómi nesse negócio:
       O cangaceiro da Tormenta!!!
       Um predador natural dos calangos e dos "bisorões" da Tormenta que luta para sobreviver entre a chuva da tempestade rubra e o fogo do Calango-Rei, o Coroné Sckhar, pregando fogo e fincando a peixeira em todos eles!


Nativos do Sertão

       Personagens nativos do Sertão de Arton são naturalmente mais adaptados aos efeitos da Tormenta. Eles podem escolher Resistência à Tormenta como um de seus talentos regionais, mas não podem escolher Herdeiro do Dragão, mesmo que a região faça parte de Sckharshantallas.
       Os nativos do Sertão de Arton são hostilizados por Sckhar e as tropas do reino desde o surgimento da região. É comum que bandidos e foragidos de suas garras busquem o local como refúgio e por isso o Sertão de Arton se tornou um lar para os ressentidos do tirânico Calango-Rei. Qualquer um que possua ligação com o sangue dracônico é sumariamente executado. 


Cangaceiro da Tormenta

       Entre os nativos do Sertão de Arton, os mais temidos são sem dúvidas os Cangaceiros da Tormenta, um grupo de bandoleiros tão encardidos que até mesmo Sckhar tem falhado incessantemente em varrê-los de seu reino. Em grande parte isto se deve à proximidade da Tormenta, mas também a grande resiliência destes cabras da peste destemidos que só, adquirida por sobreviver naquela região lazarenta de inóspita, é uma grande responsável pelo feito.
       O Cangaceiro da Tormenta é acima de tudo um sobrevivente. E para sobreviver, muitas vezes é preciso matar sem dó. A vida no sertão é dura e converseios de paz por ali não passam de lenga-lenga. E quando a fome e a necessidade apertam, pode ser necessário atacar as cidades ricas e "redividir as riquezas de forma mais justa"
       Mas apesar da vida bandida no reino de Sckharshantallas, os Cangaceiros da Tormenta são muito bem vistos pelo povo do Sertão, que os têm como heróis justiceiros. E muito dos arretado.


"Medo? Tenho, sim senhor. O segredo é causar mais do que sentir."

Pré-Requisitos

       Para se tornar um Cangaceiro da Tormenta o personagem deve preencher os seguintes pré-requisitos

       Habilidades de classe: Terreno Predileto (área de Tormenta)
       Perícias: Sobrevivência 8 graduações
       Talentos: Resistência à Tormenta, Tolerância, Usar Arma Exótica (mosquete)
       Especial: nativo do sertão, possuir uma peixeira (adaga grande). 

Características de Classe

       Um Cangaceiro da Tormenta recebe 4 PV (+mod. Con) por nível.



Habilidades de Classe

       Garrucha véia: um cangaceiro desarmado é como um cão sem dente. Você recebe uma espingarda (mosquete) de qualidade com até 3.000 TO em melhorias mundanas quaisquer, além do valor da arma.
       No nível 7 a vida do cangaço começa a compensar. Você troca sua espingarda velha por uma de altíssima qualidade novinha em folha com até 30.000 em aprimoramentos mundanos quaisquer.

       Peixeira ancestral: seu ódio por milicos e cabras safados fornece propriedades mágicas à sua peixeira escolhida. Você não recebe penalidades por tamanho inadequado ao usá-la e em suas mãos ela se torna uma arma anticriatura (+2 de ataque e dano, e 2d6 de dano extra) somente contra milicianos, militares ou homens da lei quaisquer, também paladinos, cavaleiros e semelhantes, além de criaturas malignas.
       A partir do 7º nível seu ódio se torna tanto que chega a arrancar cabeças. Sua peixeira recebe ainda o poder especial vorpal, somente contra esses inimigos.

       Bucho de ferro: o cangaceiro tem o bucho mais forte que bode velho. Você nunca morre de fome se não tiver só pedra pra comer e mesmo neste caso, uma boa sopa já resolve. Você é bem sucedido em testes de Fortitude e Constituição para ingerir qualquer coisa, inclusive venenosa ou antinatural, e por isso nunca sofre com efeitos de fome e sede (ou venenos ingeridos e coisas semelhantes).

       Conhecimento (Caatinga): o sertanejo conhece o sertão como a palma da mão. Você pode fazer testes de Conhecimento natureza e geografia sobre regiões áridas em geral como se fosse treinado nessas perícias (se já for treinado, recebe um bônus de +4). Além disso, o tempo que você leva para viajar por qualquer lugar em regiões áridas é o mesmo que levaria por boas estradas.

       Robin Hood do Agreste: os coronéis querem te pintar de bandido, mas o povo conhece sua honra. Sempre que defender uma causa justa e honrada relacionada ao povo, recebe 1 ponto de ação extra por sessão e por ações de heroísmo. Além disso, você sempre recebe pouso e alimento na casa dos pobres e pode fazer testes de Obter Informação em 1 hora, ao invés de 1 dia, devido à sua ajuda.

       Inimigo calango predileto: você é um predador natural de qualquer coisa que lembre vagamente um calango. No 2º nível você recebe +2 nas jogadas de dano e testes de Percepção, Intuição e Sobrevivência contra répteis (dragões, cobras, trogs, nagahs, dinossauros, jacarés, etc). Esse valor sobe para +4 no nível 5 e para +6 no nível 8.
"Hora de picá os cabra!"

       Sanguinolência: você tem sangue nos zóio e o sangue nos zóio te dá poder! Sempre que receber dano de seus oponentes recebe 1 ponto de sangue nos zóio. Você pode acumular um número de pontos de sangue nos zóio igual à metade de seu nível de cangaceiro da Tormenta e gastá-los para receber benefícios especiais por 1 rodada. Sempre que descansar perde todos os pontos de sangue nos zóio.


       Bala no meio dos zóio: a margem de ameaça base de sua garrucha se torna 16-20. Outros efeitos são aplicados normalmente após este.

       Cabra duro: você recebe redução de dano 20 como uma reação e não recebe pontos de sangue nos zóio nesta rodada.

       Cabra da peste: você recebe +8 em uma de suas resistências como uma reação.

       Cabra liso: você ignora penalidades para atacar e se esconder na mesma rodada.

       Facada no bucho: o multiplicador de crítico base de sua peixeira se torna x4. Outros efeitos são aplicados normalmente após este.

       Fúria do sertão: você entra em Fúria como um bárbaro e recebe 1 Grito de Poder à sua escolha. Esta habilidade dura um número de rodadas igual ao seu nível de Cangaceiro da Tormenta e não pode ser usada com outros Gritos de Poder.


"Aqui é escreveu não leu, a bala comeu."

       Matador de besouro: com você não tem essa de bicho que toma tiro e não morre. Você ignora imunidade a acertos críticos de lefeus.

       Companheiro jegue sagrado: dizem que um novo deus menor de nome luminoso surgiu no sertão e anda abençoando seu povo. Você recebe uma montaria sagrada como um paladino com seu nível de Cangaceiro da Tormenta, mas esta montaria é um jegue de batalha (personagens pequenos recebem um jegue anão). Seu jegue recebe ainda uma habilidade da lista para forma selvagem de druidas, exceto mudanças de tamanho. Ele sobe de nível junto com você e a cada nível múltiplo de 5 recebe uma nova habilidade da lista, até o 20º nível.
       Caso você já possua a habilidade Montaria Sagrada por outra classe, o jegue sagrado a substitui e os níveis daquela classe se acumulam com níveis de Cangaceiro da Tormenta para definir as características de seu jegue de batalha. 

Jegue de batalha, ND 2
Animal 4, grande (comprido), N
Iniciativa +2
Sentidos: Percepção +9, faro, visão na penumbra
CA 14
PV 32
Deslocamento: 12m
Resistências: Fort +8, Ref +4, Von +4
Ataques corpo-a-corpo: cascos +6 (1d8+6)
Habilidades: For 19, Des 11, Con 18, Int 2, Sab 14, Car 6
Animal de carga: o deslocamento de um jegue jamais é reduzido por armaduras ou excesso de carga. Além disso, a carga leve de um jegue é igual a 5 vezes sua força, ao invés de 3 vezes.

       Cara feia é fome: quando os cachorros latem, você late de volta. Você se torna imune às habilidades Insanidade da Tormenta e Mente Alienígena dos lefeu. Você também recebe um bônus de +4 em testes de Vontade contra efeitos de medo.

       Chuvinha de nada: com você não tem essas frescura de ficar passando malzinho por qualquer chuvinha. Você ignora efeitos permanentes de áreas de Tormenta que o afetem diretamente (enfraquecimento, morte lenta, ferimentos ruins, insanidade, pavor e véu rubro).

       Lampião da Anti-Anticriação: sua macheza (ou femineza, no caso das Maria Bonita) se torna tão grande que atrai a atenção de poderes de mundos além da imaginação. Você recebe um lampião mágico e um anel de poder, (artefatos).
       Seu lampião contém o conhecimento de todas as magias existentes e um número de pontos de magia igual a 10 vezes seu nível de personagem ao recebê-lo (ou na hora de recarregá-lo), máximo 200 pontos.
       Seu anel pode ser colocado 1 vez por dia no lampião por 1 hora para memorizar um número de níveis de magia igual a 2 vezes seu nível de personagem e permanecem no anel até serem usadas. Você só pode memorizar magias que um conjurador com seu nível de personagem poderia conhecer.

       As magias do anel não sofrem qualquer efeito negativo ou restrição relacionado à Tormenta ou à Anticriação, mas para usá-lo você deve recitar uma rima de sua própria autoria cantada no estilo repente, anunciando a magia e o que ela fará. Se o repente não for completado ou não fizer sentido a magia é gasta, mas não surte efeito.
       As magias do anel possuem como tema uma energia de cor azul e sua CD é 14 + nível da magia.
       Caso o lampião fique completamente sem pontos de magia, é necessário recarregar o fluído no lampião original, no semiplano da Anti-Anticriação, o que leva uma semana (somente a recarga, a viagem planar deve ser feita normalmente, se vire). Os guardiões do lampiãozão cobram uma taxa de 50 TO x o número de PM recarregado, para manutenção do equipamento.


"Esses bisoro num presta nem pra tê o que robá, bicho disgramado..."

 Limpando o Bucho do Calango

      Olá, galera, voltamos com mais uma classe prestígio azeitada pra vocês. Chegou a vez de um trabalho que eu comecei quase dois anos atrás, mas uma preguiça da moléstia me abateu e eu nunca mais consegui terminar. Mas agora movido por uma força interior suprema, criei vergonha na cara fiz um esforço e botei a coisa pra funcionar. Mas sem enrolação, vamos falar do que importa.


       Primeiramente, quero comentar que foi bastante divertido trabalhar com o tom bem humorado desta classe. Apesar de cangaceiros englobarem conceitos como os de matadores, bandoleiros e tudo mais, há algo neles que os torna muito carismáticos e isto é muito bom para trabalhar. Esse misto de morte e humor realmente me agrada bastante e acredito que eles serão muito bons como contraponto a qualquer excesso para um dos dois lados em uma campanha.


Sobre as Habilidades

       Sobre suas habilidades, quero fazer uns comentário para ajudar a guiá-los; há algumas coisas que acho interessante frisar. Primeiramente, procure por formas de aproveitar tanto seu Garrucha Véia, quanto Peixeira Ancestral. Como são duas armas bem boas (embora uma seja situacional), dá pra explorar bem uma construção de personagem híbrida. Isso pode ser muito bom inclusive para aproveitar as opções da habilidade Sanguinolência.

       E falando sobre ela, vocês devem ter percebido que as opções que ela dá são apelonas pra cacete bem fortes. Porém, vocês notaram que pontos de sangue nos zóio nunca são recarregados de forma alguma, a não ser apanhando? E que são perdidos com qualquer descanso? Ainda por cima, o Cangaceiro é primordialmente um combatente da linha de trás, um atirador. Pois é, o negócio é bão, mas não é mole de usar não.

       Sobre o Companheiro Jegue Sagrado, não esqueça de que você ainda pode adicionar 1 habilidade da Forma Selvagem sobre a ficha exemplo e que se você acumular níveis com outra classe terá pelo menos mais 5 níveis para upá-la do jeito que quiser. Ah, a imagem é meramente ilustrativa; ele não vem com a armadura, você deve comprá-la normalmente. E é uma boa, porque nem reduz deslocamento.

       E pra falar só de mais uma habilidade, a ideia do Lampião da Anti-Anticriação surgiu daqui e quis comentar, inclusive porque já quando comecei a trabalhar nessa classe dois anos atrás a primeira coisa que fiz foi a versão mais aí abaixo da arte onde o lema da Tropa dos Lanternas Verdes deu origem ao lema dos Cangaceiros da Tormenta. Essa é uma habilidade bem marcante e que muda a classe por completo, e a ideia é essa mesmo. Achei que não poderia deixar de incluir este conceito nela, mas não quis explicar muito sobre a origem do negócio que é pro mestre ter mais liberdade de usar como quiser.


De Repente é Repente

       Já o detalhe da necessidade do verso de repente para usar foi algo que surgiu aos 47 do segundo tempo enquanto eu via alguns vídeos sobre o assunto. Recomendo dar uma olhada para se inspirar para usá-la, mas caso você não tenha pego o jeito, ficam aí dois exemplos.

       "Nossa vida é muita dura, é só inimigu nessi joooooooogu... Nham, nham, nham, nham... Tacu fogu nus seus rabu, tómi aí bola di fooooooogu!"
       
       "Magu inimigu é apelão, tá cheiu das putariiiiiiiiia... Nham, nham, nham, nham... Vô acabá 'cas palhaçada, dissipá as suas magiiiiiiiia!"


Partindo de Volta à Caatinga

       E aí, o que acharam da classe? Deixem aí uns comentários, perguntas e tudo mais. Respondo assim que possível, como sempre. E se já não viu, de uma olhada nas outras navegando em nosso blog. Os links aqui no final tão com um problema que estamos resolvendo, mas à direita mais acima você encontra outros para as matérias mais quentes do blog, na caixa Acertos Certeiros.

       No mais, é isso. Até a próxima e bom jogo. ;-)



20 comentários:

  1. asdgjasdjhsagdas
    Crl, eu adoro esse blog.

    Baita classe, li rolando de rir. Bom trabalho, deu vontade de ter uma dessas na mesa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também ainda tô rindo e algumas dessas coisas faz meses que eu já li, hahaha. XD

      Espero que consigam usar por aí. ^_^

      Excluir
  2. A melhor parte é ter que usar magia fazendo repente, assim o jogador apela e interpreta ao mesmo tempo ahhaha

    ResponderExcluir
  3. De fato um trabalho marcante!

    Divertido e jogável, poucas vezes se vê uma classe não oficial ser tão bem construída e interessante. Esse blog é, de fato, uma maravilha de se ler!

    Aguardo mais trabalhos seus Christiano, e peço as forças do cangaço para lhe dar inspiração!

    Você poderia criar o Lampião, deus Menor do Cangaço?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelos comentários tão positivos.

      A ideia é muito boa, vou bolar algo e colocar algo como anexo no final da matéria. Dá pra gerar um conflito legal com outro Deus Menor no reino de Sckhar. ^_^

      Excluir
  4. Seria bem legal se o lampião fosse relacionado ao coração de área da tormenta. Assim o cangaceiro estaria extraindo poder da anti-criação pra matar besouro e calando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ideia bem interessante...

      Eu quis dar uma deixa pro mestre pegar mais coisas da Tropa dos Lanternas Verdes, especialmente que ele poderia facilmente mudar o lance do semiplano da Anti-Anticriação para o plano de Tilliam, que é basicamente o espaço destruído.

      Mas a sua ideia também pode gerar uma boa adaptação... É só fazer um ajuste na forma como você ganha o lampião e na recarga que roda.

      Obrigado pelo comentário. ;-)

      Excluir
  5. Achei fantástica sua classe de prestígio. Achei apelona à pricípio, mas você a equilibrou muito bem, até o lance do Lampião Verde.
    Cheguei aqui por um post no grupo Masmorra de Valkária, no facebook. Gostaria que compartilhasse mais do seu trabalho lá, pra galera ver, pois eu já vou assinar seu blog pra não perder nada. Parabéns, cara.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. Comumente compartilhamos nossas postagens na Masmorra, mas matérias de blogs só é permitido colocar no tópico de divulgação, para fins de organização do grupo. Tem que ficar ligado nele, por isso.

      Sobre o poderio da classe, como essa é uma bastante especial em termos de apreciação do público, eu puxei o poder dela um pouco mais pra cima, tendo em vista que ela pudesse figurar em grupos em que estivesse ao lado de Cavaleiros do Corvo, Ginetes de Namalkah e outras classes mais poderosas do cenário e que combatem a Tormenta sem ficar ofuscada e até brilhando um pouco mais que algumas (porque não é fácil brilhar mais que o Cavaleiro do Corvo).

      Recentemente postei 3 outras classes de prestígio (adaptação de Castlevania, Dragon Age e uma totalmente nova) e ainda há mais 1 no projeto dessa etapa do ano, mas é provável que saiam mais 2 ou3 até acabar. Mas sempre há outras coisas que postamos por aqui, além d classes. Fique de olho, haha.

      Um abraço e tudo de bom. ;-)

      Excluir
  6. Cara, gostei bastante! Mas a última habilidade infelizmente é injogável. Muito desbalanceada.
    Ser capaz de usar QUALQUER magia, Arcana ou Divina de nível igual a METADE do seu Nive de Personagem (no mínimo 7, pelo jeito - que é coisa que nem Bardo de nível 20 faz) sem sofrer efeitos negativos numa área de Tormenta é coisa que nem Vectorius, Talude ou um Sumo-Sacerdote fariam...

    Tirando essa parte apelona, a classe consegue ser tão ou mais poderosa do que os Cavaleiros do Corvo, ou seja, junta um grupo bom de cangaceiros, limpa fácil uma Área de Tormenta. Hahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia é essa mesmo. Você é especial. Mas há grandes poréns nesta habilidade que talvez você não tenha notado.

      Você tem que pagar o custo de 50 TO por PM, a partir da primeira recarga. No 20º nível o lampião estoca PM igual a umas 4 vezes o tanto de PM que um arcano desse nível costuma ter. Isso quer dizer que você deve pagar 10.000 TO A CADA QUATRO DIAS para usar o mesmo número de magias que ele.

      Não só isso, mas você também não consegue usar metamágicos nessas magias. Enquanto o mago pode maximizar e potencializar (ao mesmo tempo) uma Mata-Dragão e causar em média uns 420 pontos de dano, você está preso à versão normal da magia e sua média de dano é de 140 pontos nesse nível. Um pouquinho menos, né?

      Além disso, Arquimagos podem possuir Mata-Dragão como uma habilidade mágica (com os metamágicos e tudo) e usá-la como uma AÇÃO PADRÃO, ao invés de 3 rodadas. Não sei você, mas eu "acho" que eles são "só um pouquinho" muito melhores que você em termos de magia. E não pagam 10.000, nem nada, a cada poucos dias. Isso pra falar pouco do que eles podem fazer... :)

      Note ainda que as magias contidas no anel são como as preparadas, você deve escolhê-las na hora que carrega o anel. Não é como Feiticeiro, que usa o que quiser (e um Feiticeiro da linhagem divina nível 20 tem magia pra caramba, especialmente se pegar uns Conhecimentos Mágicos). Isso também é algo a se considerar e mesmo que haja magias que copiem outras magias (Milagre e Conjuração das Sombras), elas tem um custo elevado e preparar muitas delas é pesado. Porém eu sempre acho prudente o mestre não deixar jogador usar Desejo e Milagre, no mínimo; são magias complicadas de administrar em campanha.

      O lance de não sofrer efeitos da Tormenta e Anticriação é mais uma questão de conceito mesmo, mas acaba sendo o seu grande diferencial. É ali que você brilha. Não teria graça se você fosse inferior em tanta coisa. Só ter acesso a muitas magias não tem muita graça, classes como Usurpador e Amador Farsante já fazem isso facilmente e não seria nada especial como eu gostaria que o Cangaceiro da Tormenta tivesse.

      Mas, como eu disse na matéria, essa habilidade é mesmo algo que transforma totalmente o Cangaceiro da Tormenta. Apesar dela só poder ser obtida em um número mínimo de 15, se não há conjuradores puros no seu grupo você deve brilhar bastante e ficar facilmente ao lado de Cavaleiros do Corvo, Cavaleiros Feéricos e outras classes de grande poder. Essa era a intenção, na verdade. Quando criei esta classe eu estava tentando equipará-la às mais fortes. Para campanhas onde qualquer uma dessas classes seja um problema por seu poder elevado, o mestre também deve ficar de olho no Cangaceiro. Inclusive, eu prefiro que o mestre tenha que dar uma aparada nas coisas que eu crio do que o contrário, porque aí muitas vezes o jogador nem fica com muita vontade de usar.

      No mais, muito obrigado por seus comentários. Espero que possa se divertir com nossas publicações e seja sempre bem vindo para deixar tanto elogios quanto críticas, elas são sempre muito úteis e as levamos em conta em nossos trabalhos.

      Tudo de bom. ;-)

      Excluir
  7. Ler esse artigo me fez rir demais, mas acima de tudo fiquei muito feliz pela homenagem ao meu Sertão. Muito obg, fez jus ao povo duro que resiste a tudo com um sorriso grande.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pôxa, muito leal seu comentário. Eu também acho muito legal esse povo e com bom humor esperava fazer algo à altura.

      Bom jogo e boas festas pra você. ;-)

      Excluir
  8. Com quais outras classes de prestígio o Cangaceiro combaria?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois olhe, as habilidades dela não são do tipo que comba... Mas qualquer coisa que seja bom pra tiro, deverá ser bom pro Cangaceiro (como Franco-Atirador, por exemplo).

      Também classes que deem progressão à Montaria Sagrada podem ser úteis, mas acredito que não tanto, pelo Cangaceiro ser um atirador.

      Isso é o que me ocorre de imediato.

      Excluir

Qualquer forma de agressão, ofensas, desrespeito, discussões, preconceito racial, sexual, religioso ou ético, será banido. Somos jogadores de RPG, e não de futebol... E se você é Troll eu sou Elfo (Away)